Bateristas do Social Distortion XII – Josh Freese

Scott Reeder tocou na turnê sulamericana, mas não continuou na banda. Para gravar o disco Hard Times and Nursery Rhymes, o Social Distortion contou com Josh Freese

Freese é baterista bastante ativo. Dizem que já gravou mais de 300 discos. Tocou, por exemplo, no excelente The Art of Rebellion, do Suicidal Tendencies, e no também ótimo Year Zero, do Nine Inch Nails. Ao vivo ou no estúdio, esteve com Weezer, Devo, Guns and Roses, Megadeth, Vandals, A Perfect Circle, Sting, Offspring e muitos outros.

Sua performance nesse disco do Social Distortion é ótima, e se encaixa perfeitamente no som da banda.

Anúncios

X em Curitiba

O show do X foi fabuloso.

O público estava um pouco desconfiado. 99% das pessoas que estavam no show, provavelmente, nunca tinham ouvido falar de X. Só uns 13 devem ter ido exclusivamente para ver o X, como eu. Mas o show foi fantástico.

Surpresa pra mim foi eles terem tocado Unheard Music, que não estava nos setlists de São Paulo. O show não foi assim tão curto. Billy Zoom é o cara mais cool do mundo. Jonh Doe cabeludo foi surpresa também. Exene com uma vestimenta adequada para uma senhora. E DJ Bonebrake simples e direto.

Veja eles tocando Los Angeles, e Devil Doll, com o vocalista da banda que tocou depois, o Pearl Jam, cujo show só vi até a metade – gracias ao Pearl Jam por terem trazido o X:

 

Bateristas do Social Distortion XI – Scott Reeder

Atom deu pra trás, e o Social Distortion precisava de um baterista para a primeira turnê sulamericana da história da banda. Para a nossa sorte, veio o excelente Scott Reeder, que tocou muito.

We were lucky here in Brazil because Social Distortion brought Scott Reeder for the south american tour, and he was great.

Sua primeira banda foi o Smile, em 1992, em Costa Mesa, California. O som é meio pop-alternativo, numa linha parecida com os bons sons do Weezer – ouça aqui no myspace deles. Reeder tocou também com o Deccatree, de Orange County. Em 2001, entrou no Fu Manchu, para a turnê do disco California Crossing, e está com eles até hoje. É professor de bateria em Orange County, e toca uma Ludwig parecida com a do Led Zeppelin, com aquele bumbo curto e largo, talvez 16″x 26″ ou 14″ x 26″. Visite o site do Prof. Scott.

Vi três shows do Social Distortion no Brasil, em uma viagem de moto com os amigos. Fomos ao Rio de Janeiro, depois, no dia seguinte, para São Paulo, e no terceiro dia voltamos para Curitiba, para assistir ao último show deles no Brasil. Scott foi excelente, como você pode conferir no video abaixo. Torci para que ele ficasse no Social D, mas ele preferiu voltar para o Fu Manchu, onde pode tocar o som mais pesado que ele gosta. Boa sorte, Scott Reeder !

I saw three of the six South American gigs, travelling in my motorcycle with friends. Scott was awesome, as you can see in the video below. I hoped he would stay in the band, but he prefered to go on with Fu Manchu, where he can play the heavier sound he likes. Good Luck Scott !

Bateristas do Social Distortion X – Atom Willard

Depois de quase dez anos com o Social Distortion, o excelente Charlie Quintana sai. Para seu lugar, é chamado o Adam “Atom” Willard.

Charlie Quintana quits after almost ten years with Social Distortion. To fill his place they call Adam “Atom” Willard.

Pelo que se sabe, a primeira banda do Atom foi a ótima banda californiana Rocket From The Crypt, onde ele ficou por quase dez anos. Depois, juntou-se ao Patrick Wilson, baterista do Weezer, para tocar no projeto The Special Goodness, onde ficou até 2003 e gravou o disco Land Air Sea. Nesse mesmo ano, depois de gravar umas músicas para o disco da Melissa Auf der Maur (Hole, Smashing Pumpkins, Ric Ocasek, The Stills), Atom entrou para o Offspring. Depois de quatro anos com o Offspring, entre 2003 e 2007, Atom formou o Angels and Airwaves, com o Tom DeLonge, do Blink 182. Foi enquanto era baterista do Angels & Airwaves que apareceu a chance de entrar no Social Distortion.

Entre 2009 e 2010, Atom viajou com o Social Distortion em turnês pelos EUA e Europa. Ele seria o baterista para a primeira turnê sulamericana da história da banda, que passou pelo Brasil e pela Argentina, em abril de 2010, mas deu pra trás. A história oficial é que, diante de problemas de agenda, ele deu preferência para o Angels. Tendo que escolher, optou por ficar na banda com o Tom DeLonge. Curiosamente, um ano e pouco depois, ele também saiu do Angels & Airwaves.

Between 2009 and 2010 Atom travelled with Social D in USA and European tours. He would be the drummer for the first ever Social D tour in South America, but quit because of scheduling problems involving his other band Angels & Airwaves.

Na minha opinião, o estilo de Adam não combina perfeitamente com o som do Social Distortion. Pessoalmente, gosto mais do estilo Christopher Reece/Charlie Quintana. Mas você pode tirar suas conclusões a partir desse video, em que Adam aparece tocando Ball and Chain em junho de 2009, na Suécia: